Miguel Xabindza deixou dois empregos para viver da música

Por Redacção 0

A ideia ousada, diga-se de passagem, de demitir-se para viver da música, segundo contou Miguel Xabindza em entrevista exclusiva à Xigubo, foi proposta pela sua ex-esposa que acreditou no talento do músico, deixando claro que a arte podia ser mais rentável relativamente aos seus dois antigos empregos.

Xabindza seguiu os conselhos da ex porque já não conseguia conciliar as obrigações do patrão e as solicitações para eventos, mesmo assim, assumiu ter enfrentado dificuldades após tomar a decisão de dedicar-se inteiramente à música, temendo um fracasso, já que estava consciente de que não é uma missão tão fácil pagar contas com honorários daquele ramo artístico na medida em que é pai de família.

Chamado a revelar o segredo desta conquista, tendo em conta que não é midiático (por uma questão de escolha, digamos estratégica)  e sequer tem um álbum no mercado, o nosso interlocutor referiu não existir magia, para além de definir identidade, trabalho duro e foco.

“O valor que eu e a minha banda cobramos não é suficientemente sustentável, estaria a mentir se assim o dissesse. Porém, devo dizer que com esse dinheiro conseguimos pagar as contas de casa, escola das crianças e comprar um bom carro”, disse avançando que suas actuações em festas privadas e não só custam 70 mil meticais, sem determinar o número de músicas por apresentar, ou seja, disponibiliza-se a esgotar o seu arsenal musical nos eventos nos quais é convidado.

Entretanto, Miguel Xabindza e banda trabalham geralmente a partir de quarta-feira à domingo, dedicando os restantes dias para ensaiar, descansar  e dar atenção à família. A nossa equipa aproveitou a ocasião para lançar uma questão provocadora, ao tentar perceber os motivos por traz da falta de um CD, relacionando esse facto com o triunfo de viver da música, atendendo e considerando que, geralmente, os cantores não só lançam como forma de provar comprometimento, mas também para ter retorno.

Com sorriso no rosto e acenando com a cabeça em sinal afirmativo, respondeu que só deu conta desta questão no momento em que conversava com a nossa reportagem. Contudo, o músico garantiu que está a gravar o seu CD na “Terra do Rande”, África do Sul.

Txata na mina, Celina, Mamana Wanga, Xiluva são alguns dos sons da autoria de Miguel Xabindza, – um talento que, depois de deixar de fazer teatro no Cine e Teatro Gungu, recém Gilberto Mendes, descobre suas habilidades vocais na igreja, aos 21 anos. O músico é actualmente responsável pelo tom mais romântico e pouco hip-hop nas múscas da rapper Iveth, a mais célebre é a versão da música 4 Estações.