Azagaia continua sendo a voz do povo moçambicano

Por Johnson Pedro 0

O parque marginal, em Maputo, recebeu na noite da última sexta-feira (01 de Dezembro) o show alusivo a passagem dos dez anos do primeiro álbum do rapper moçambicano de intervenção social Azagaia, intitulado ´´Babalaze´´.

A grande festa teveo seu inicio, praticamente, a meia noite com a entrada dos rappers Flash enccy e Gina Pepa que apresentaram ao público o alinhamento para do show chamando em seguida o primeiro artista para noite, o Bobotshuana , antecedendo performance do Dj Asnepas que buscou animar o público que aos poucos se fazia ao local com alguns clássicos do rap moçambicano.

Oriundo da terra natal do mano Azagaia, Namaacha, Bobotshuana que esteve ao lado do seu grupo Wise gang, encontrou um público que parecia ter perdido o ânimo para o show, isso devido a morosidade no início das actuações, assim sendo, estava nas suas mãos devolver o ânimo, conseguido graças ao seu domínio no estilo underground desde factor lírico ao domínio vocal que terá impressionado ao público e por conseguinte cedia o palco para o rapper Rage que fez valer a sua performance através de alguns dos seus sucessos como ´´Indomável´´, ´´O que vais fazer´´ e um freestyle.

Já próximo da primeira hora da madrugada, como apresentadores do evento, o Flash e a Gina ambos também responsáveis pelo sucesso do show pelas barras que deixavam ficar a cada entrada, se fizeram ao palco para anunciarem a entrada do grupo Xitiku ni mbaula que não fugiu daquilo que já se tinha feito pelos primeiros artistas a entrarem no palco, com seu estilo característico e valorizando as línguas nacionais levou o público a conhecer as faixas do seu novo CD como ´´Hiva la´´ e´´Tlhanga upimela´´ em comemorações da passagem do dia internacional da luta contra o SIDA.

E na metade da primeira hora da madrugada, os minutos foram divididos pelas performances do Kloro Killa que como de costume esteve acompanhado pelo rapper Teknik e juntos cantaram com o público alguns dos sucessos do seu ultimo trabalho discográfico ´´Xigumandzene´´ como a ´´musica da sociedade´´ e ´´não posso esperar´´ e do Dj damost que seguiu um pouco aquilo que já havia sido feito pelo Dj asnepas mas, a sua maturidade na selecção dos clássicos do rap moçambicano e o fator interação com o público fizeram valer a sua performance.

Aos poucos a lista dos convidados ficava vazia, e a ansia para ver o mano Azagaia aumentava por parte do público o que não impediu que assim a Gina e o Flash chamassem o convidado internacional ao palco, o angolano Mc kappa, que acompanhado pelo Dj pele e com as suas músicas que pouco se diferem das do mano azagaia, mostrou ao público um pouco daquela Angola que raramente a mídia busca mostrar através de faixas como ´´pais do pai banana´´ e ´´atras do prejuízo´´.

Quando a Gina pepa e o Flash enccy voltavam mais uma vez ao palco, já não restava dúvidas sobre o próximo artistas a entrar no palco e foi chamado sem muito anseio o rapper Azagaia.

A actuação do Azagaia teve o seu início pelas 02 hora e 30 minutos de madrugada antecedido por uns minutos de suspense protagonizado pelo mesmo na entrada ao palco, tendo durado uma hora.

Fardado a militar e com o tripé do seu microfone refeito por armamentos de guerra, o rapper primeiramente entrou cantando os coros das faixas pertencentes ao álbum de forma a puxar a memória do público para entrar no seu show e logo, ao lado da sua banda Os cortadores de lenha e com a entrada de alguns convidados que participam do álbum como Mc kappa, S Gee, Zoco Dimande , Bob lee e de alguns membros da sua antiga label Cotonete records, Azagaia levou o público a reviver seriamente o babalaze desde a faixa ´´Eu não paro´´ a ´´Povo no poder´´ tendo já na ultima parte do show fugido do álbum para cantar o seu novo sucesso musical ´´Sétimo dia´´ numa actuação que foi digna de aplausos por mais de 4 mil pessoas que se fizeram ao local.

O ´´Babalaze´´ é um álbum de intervenções sociais feitas pelo rapper na sequência de problemas vividos no ano 2007 ou anteriores mas, a reação do público perante faixas como ´´minha pátria´´, ´´As verdades´´ e ´´povo no poder´´ mostrou que os problemas ainda persistem por alguma razão nos dias que correm e talvez seja a hora de serem resolvidos.